Loading...

Notícia

Publicado: 18/07/2022 14:53h

Maior usina solar flutuante da EDP está pronta para produzir energia

Maior usina solar flutuante da EDP está pronta para produzir energia

Localizado na região de Alqueva, é o maior parque solar flutuante da Europa em um reservatório, e o segundo construído em Portugal, após o projeto piloto da EDP em Alto Rabag.

A energia gerada pela usina, que possui quase 12 mil painéis fotovoltaicos, abastecerá mais de 30% da população dessa região no sul de Portugal.

Também em Alqueva, a EDP planeja instalar até 154 MW de capacidade renovável em uma fazenda híbrida completa.

Sete meses após o início das obras, a usina solar flutuante da EDP no sul de Portugal, em Alqueva, está pronta gerar energia. A entrada em operação deste projeto - considerado o maior da Europa em um reservatório de barragens - representa um passo relevante no desenvolvimento de energias renováveis e consolida o compromisso da EDP com a inovação e a transição energética.

O parque solar foi inaugurado em Portugal nesta sexta-feira, 15 de julho, em um evento que contou com a presença de vários representantes portugueses: o primeiro-ministro António Costa; Ministro do Meio Ambiente e Ação Climática, Duarte Cordeiro; e o secretário de Estado de Meio Ambiente e Energia, João Galamba. Entre outros participantes estava Roberto Bocca, membro executivo e chefe da área de energia do Fórum Econômico Mundial. Todos os participantes foram recebidos pelo CEO da EDP e EDP Renováveis, Miguel Stilwell d'Andrade.

Com cerca de 12.000 painéis fotovoltaicos - ocupando 4 hectares, o equivalente a cerca de 0,016% da área total do reservatório de Alqueva -, a nova plataforma possui uma potência instalada de 5 MW e capacidade de produzir cerca de 7,5 GWh por ano, o que significa que pode abastecer mais de 30% das famílias nesta região no sul de Portugal (Portel Moura e Moura).

O projeto solar atual envolve um investimento total de seis milhões de euros e se destaca por sua tecnologia solar flutuante e pelo conceito de hibridização, que permite a combinação de energia solar e hidrelétrica da barragem de Alqueva. Além disso, também está prevista a instalação de um sistema de baterias, com potência nominal de 1 MW e capacidade de armazenamento de cerca de 2MWh. Todas essas tecnologias usarão um único ponto de conexão para a rede existente, promovendo a otimização e eficiência dos ativos, reduzindo os impactos ambientais.

A EDP também planeja instalar até 154 MW de capacidade renovável em uma fazenda híbrida completa, incluindo 70 MW de energia solar flutuante fotovoltaica, alcançada pela EDP Renováveis no recente leilão flutuante solar em Portugal, além de 14 MW de supercapacidade solar e 70 MW de capacidade eólica híbrida. Este projeto reforçará a produção de energia deste reservatório, sendo capaz de produzir 300 GWh anualmente, abastecendo 92 mil residências e evitando a emissão de mais de 133 mil toneladas de CO2. Além disso, a escala do projeto e o componente de hibridização permitirão combinar diferentes tecnologias e garantir um equilíbrio no nível de preço, semelhante ao que já se pretende com o primeiro parque solar flutuante em Alqueva, agora em operação.

"A tecnologia solar flutuante, na qual a EDP é pioneira global, é um avanço notável na expansão das renováveis e na aceleração do processo de descarbonização. E nossa estratégia de hibridização, combinando água, sol, vento e armazenamento, é claramente um caminho lógico para o crescimento da produção de energia na qual a EDP continuará investindo. Alqueva é, hoje, um exemplo de inovação e sustentabilidade que, em breve, reforçaremos com o novo projeto conquistado no primeiro leilão solar flutuante em Portugal", destaca Miguel Stilwell d'Andrade, CEO da EDP e EDP Renováveis.

Soluções sustentáveis para o futuro

O projeto Alqueva se destaca por seu impulso de inovação no carro alegórico que suporta os painéis solares: plástico reciclado combinado com compósitos de cortiça. A solução, que está sendo testada pela primeira vez, é resultado de uma parceria com a Corticeira Amorim (por meio da Amorim Cork Composites) que desenvolveu uma fórmula mais sustentável para o flutuador fabricado pela empresa espanhola Isigenere. Essa inovação contribui para reduzir o peso da plataforma em 15% e ajuda a diminuir a produção de CO2 do projeto em cerca de 30%.

A tecnologia solar flutuante é decisiva no uso de recursos e na expansão das energias renováveis, que contribuem para combater a dependência energética de outras fontes e acelerar o processo de transição energética. Este primeiro projeto de grande escala em Alqueva - que avançou após o sucesso do primeiro piloto iniciado em Alto Rabagão há cerca de sete anos - está, portanto, em linha com a estratégia da EDP de investir em inovação e projetos renováveis e ser 100% verde até 2030.


Fonte: Assessoria de Imprensa da EDP
Arquivos