Loading...

Notícia

Publicado: 15/06/2022 23:28h

Petrobras já doou mais de oito mil computadores a escolas públicas de SP, RJ e ES

Petrobras já doou mais de oito mil computadores a escolas públicas de SP, RJ e ES

Ação dá suporte ao projeto “Janelas para o Amanhã”, iniciativa de Inclusão Digital da companhia lançada há pouco mais de um ano, que prevê ampliar o acesso digital para cerca de 50 mil estudantes nos três estados contemplados

A Petrobras já realizou a entrega de um total de 8.027 computadores a 279 escolas públicas de 36 municípios dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo, em pouco mais de um ano de existência do projeto “Janelas para o Amanhã”, iniciativa com foco em Inclusão Digital. Por meio do projeto, a companhia busca incentivar a inserção de estudantes e profissionais no universo tecnológico, com o fornecimento de equipamentos adequados e qualificação. De forma alinhada ao conceito de economia circular, os desktops e notebooks doados já foram utilizados na Petrobras e passaram por recondicionamento em perfeitas condições de uso e com vida útil ampliada. Além das doações, 476 participantes do projeto, entre alunos e profissionais de ensino, já finalizaram o processo de capacitação tecnológica e outros 365 inscritos devem concluir esse ciclo nos próximos meses.

Lançado em março de 2021, o “Janelas para o Amanhã” tem o objetivo de qualificar em tecnologia da informação 2,2 mil alunos e 2 mil professores da rede pública de ensino dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Ao longo de dois anos, a Petrobras irá destinar cerca de R$ 2,3 milhões para essa atividade, que está sendo executada em parceria com a Recode, organização da sociedade civil que utiliza a informática como mecanismo de inclusão e empoderamento digital de comunidades vulneráveis. Em paralelo, a companhia prevê doar mais de nove mil computadores, ampliando o acesso digital para cerca de 50 mil estudantes dos Ensinos Fundamental e Médio, nos três estados contemplados pelo projeto.

A formação em tecnologia ofertada aos professores do Ensino Fundamental visa aprimorar o uso da tecnologia digital na prática pedagógica. Além dos docentes, os estudantes do Ensino Médio também passam por treinamento, mas com finalidade de auxiliar a inserção no mercado de trabalho. Complementando as ações, os alunos são acompanhados por educadores sociais e um gestor de comunidades, que facilita processos interativos junto às comunidades escolares.

“A Petrobras apoia iniciativas que geram impactos positivos para a sociedade e contribuem para o desenvolvimento das regiões onde a empresa atua. Por meio do Janelas para o Amanhã temos a possibilidade de contribuir para a melhoria da qualidade da educação das escolas participantes, para a inclusão digital e para que os adolescentes possam realizar atividades de educação para o trabalho com foco no mercado de tecnologia. Investir na educação é investir no futuro do nosso país, além de deixar um legado positivo para as comunidades mais vulneráveis”, destaca a gerente executiva de Responsabilidade Social da Petrobras, Rafaela Guedes.

Maratona virtual

Como forma de estimular os estudantes a desenvolver ideias e apresentar projetos para engajar alunos, melhorar a gestão escolar e facilitar a transição entre o colégio e o mercado de trabalho, a Petrobras e a Recode realizaram, no último fim de semana de maio, o hackathon “Janelas para o Amanhã”, voltado a alunos de escolas públicas dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Na competição 100% online, os estudantes foram divididos em 35 equipes e tiveram que propor soluções para desafios sobre educação e empregabilidade. Eles puderam contar com o apoio de mais de 100 profissionais de diferentes áreas de atuação, incluindo professores, empregados voluntários da Petrobras e outros especialistas do mercado convidados, que realizaram mentorias e ajudaram na elaboração dos trabalhos.

O evento envolveu mais de 400 participantes inscritos e foi aberto para pessoas que estivessem cursando, no mínimo, o Ensino Médio. No entanto, cada time teve que conter, obrigatoriamente, dois estudantes das escolas públicas que fazem parte do projeto. Os trabalhos elaborados na maratona virtual passaram pela análise de um júri especializado (formado por voluntários da Petrobras com experiência em áreas como tecnologia, comunicação, marketing, entre outras, além de profissionais indicados pela Recode), que avaliou e classificou os projetos em um ranking. Todas as equipes e mentores receberão certificado de participação. "Foi um grande prazer conseguir contribuir com esses projetos dos alunos, contribuir com a minha experiência, com meu lado profissional e também aprender sobre metodologias ágeis no desenvolvimento de projetos, aprender sobre tecnologias com essa garotada. Confesso que me impressionei demais tanto com as ideias quanto com a força e com a determinação dessa juventude", afirma Juliana Schuhli, gerente setorial na Petrobras, que atuou como mentora voluntária. As melhores ideias foram anunciadas durante a live de encerramento na última quarta-feira (08/06) e todas ficarão disponíveis para consulta online, em um banco aberto de soluções.

A equipe vencedora, formada pelos estudantes Daniel Alves dos Santos, Laiza da Silva Nascimento, Luiz Paulo Arruda Borges, Maria Clara da Silva Damaceno e Rita Nicole da Silva Campos, apresentou o projeto Meteoro, uma plataforma de organização de equipes, gestão de projetos e curadoria de conteúdos para ajudar o professor a engajar seus alunos, utilizando metodologias ativas de times e resoluções de problemas reais. Em segundo lugar, ficou o time composto por Gabriel Augusto Santana Pereira, Kaio dos Santos Adão, Laila Stefani Alves Espírito Santo, Livya de Souza e Souza, e Rian Feliz de Oliveira. Seu projeto foi o Game Academy, um aplicativo para ajudar os jovens do ensino fundamental a não desistirem do âmbito escolar. Com a ferramenta, o aluno consegue estudar de maneira prática e divertida, deixando o ensino mais dinâmico e gratificante. E na terceira posição, a equipe formada por Andressa Trentini, Juliana da Silva Santiago, Karolyne Sena de Souza e Marco Antonio de Oliveira, com o projeto Mochila Digital, uma plataforma de aprendizagem de coleta de dados, com o objetivo de diminuir a carga de peso na mochila e acompanhar a evolução diária do aluno, promovendo a inclusão digital, comunicação, bem-estar e impactando positivamente o meio ambiente.
 
Cada integrante da equipe vencedora ganhará um notebook e os participantes das equipes classificadas em segundo e terceiro lugares receberão um tablet cada. Como prêmio especial, as duas escolas que mais inscreveram alunos no hackathon receberão um projetor: o CIEP Brizolão 199 Charlie Chaplin, em Duque de Caxias, no Estado do Rio de Janeiro, e a Escola Estadual Professor José Antônio Coutinho Condino, em São José dos Campos, no Estado de São Paulo. "O hackathon foi um momento para a gente refletir a respeito do potencial da educação, do que significa inovar na educação. Para a gente pensar sobre a tecnologia, sobre como a tecnologia pode nos ajudar a fazer as coisas que a gente acha que devem ser feitas. E para a gente refletir sobre a questão da inovação em si. O que é fazer o novo? É o novo pelo novo ou é o novo com um propósito? Foi muito legal ver que essas reflexões estavam presentes nas soluções criadas pelos participantes", conclui Luiza Gianesella, coordenadora de Projetos Sociais do "Janelas para o Amanhã" pela Recode.


Fonte: Assessoria de Imprensa da Petrobras
Arquivos